terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

A Voz que Nos Rasgou por Dentro

A Voz que Nos Rasgou por Dentro

De onde vem - a voz que
nos rasgou por dentro, que
trouxe consigo a chuva negra
do Outono, que fugiu por
entre névoas e campos
devorados pela erva?

Esteve aqui - aqui dentro
de nós, como se sempre aqui
tivesse estado; e não a
ouvimos, como se não nos
falasse desde sempre,
aqui, dentro de nós.

E agora que a queremos ouvir,
como se a tivéssemos re-
conhecido outrora, onde está? A voz
que dança de noite, no Inverno,
sem luz nem eco, enquanto
segura pela mão o fio
obscuro do horizonte.

Diz: "Não chores o que te espera,
nem desças já pela margem
do rio derradeiro. Respira,
numa breve inspiração, o cheiro
da resina, nos bosques, e
o sopro húmido dos versos."

Como se a ouvíssemos.

Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas"

37 comentários:

  1. Hola cielo un bello poema me gusto mucho
    un beso corazon

    ResponderEliminar
  2. Lindissimo poema.
    Adoro a poesia de Nuno Júdice.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. Cuanto daño hace esa voz que se ensaña con eso que tanto amamos. Y sufre el bosque y sufren los corazones y la resina...
    Bicos.

    ResponderEliminar
  4. ________________##_________##
    _________ ______###*_______*###
    ___________.*#### #_________#####*.
    __________*######____ ______######*
    ________*#######_________ ___#######*
    _______*########.__________ .########*
    ______*#########.__________. #########*
    ______*######@###*_______*## #@######*
    _____*#########*###____###*## #######*
    ____*##########*__*####*__*### #######*
    __*###########_____*_*______## #########*
    _############_______________ ############
    *##*#########____AMIG@S____#########*##*
    *_____########_______ _______########_____*
    _______#######___ ___________#######
    ________*######_____ _______######*
    _________*#####*________ __*#####*
    ___________*####*________*### #*
    _____________*####______####*
    _____ __________*##*____*##*
    ________________ _*##__# #*
    __________________*####*
    __________ _______.######.
    _______________.####### ##*


    HOLAAAAAAAA QUE LINDO POEMAAA

    GRACIAS POR VISITAR MUNDO ANIMAL Y MI OTRO BLOG, IMAGENES http://chistianfilms.blogspot.com/ ABRAZOSSSS DE TU AMIGO CHRISSSSS

    ResponderEliminar
  5. Bellos versos.
    Un gusto leerte y pasar por esta casa.

    Besos.

    ResponderEliminar
  6. Sempre que entro neste "cantinho"
    acolhedor,tenho uma surpresa q.me seduz!Q.bom!!
    Lindo e "forte" este poema!
    Beijo.
    isa.

    ResponderEliminar
  7. Precioso!!!

    Desconocía al autor, Nuno Judice.

    Un abrazo

    ResponderEliminar
  8. Um Farol chamado Amizade

    Venho lhe ofrecer o selinho do primeiro aniversàrio do Blog *Pôesia do Mundo*

    Agradeço lhes todos belos momèntos de leitura que me prociona:

    Os mèus melhores comprimèntos



    Antònìo Manuel

    ResponderEliminar
  9. Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras.
    Sou irritável e firo facilmente.
    Também sou muito calmo e perdôo logo.
    Não esqueço nunca.
    Mas há poucas coisas de que eu me lembre.
    (Clarice Lispector)
    Beijos.....

    ResponderEliminar
  10. buenas nochess cielo gracias por tu bello saludo por mi primer año en bloger, que tengas un bello Jueves, te dejo muchos besitossssssssss

    ResponderEliminar
  11. Bellisimo, me gusta leer en este idioma, es mas romantico, o a lo mejor asi suena, suena mas poetico y embelezado, eternamente bello.

    ResponderEliminar
  12. Olá amigo Argos

    Um lindo poema saído da pena de Nuno Júdice, aquele que, embora pouco se fale dele, é já considerado "um dos grandes" da literatura portuguesa da actualidade.

    Parabéns, adorei a escolha.

    Um grande abraço muito amigo

    ResponderEliminar
  13. Hola Amigo Poseidón!

    Muchas gracias por tus palabras...

    Puedes creer que en estos momentos tan duros que me han tocado vivir, siempre sentí que me quieren mucho... y el cariño que recibí me ayudó mucho!

    Ahora más do que nunca, las palabras que recibí fueran caricias en mi alma!

    Muchas gracias, de corazón, en mi nombre y de mi familia!

    Me gusta el poema.

    Volveré con más tiempo para leerlo con la atención que se merece!

    Un beso enorme!

    ResponderEliminar
  14. Hace mucho que no practico mi portugués, pero he podido apreciar perfectamente la belleza del poema. Un saludo!

    ResponderEliminar
  15. Olá Amigo Argos!

    Nestes momentos tão difíceis que a vida me reservou, ficamos sem saber o que dizer é verdade!
    Mas o carinho que li no que não disseste e o abraço de verdadeiro Amigo deu-me um conforto enorme e de alguma forma senti que o sofrimento não era vivido só por mim!
    E como diz um Amigo meu... o sofrimento partilhado dói um pouco menos!

    Obrigada pela tua solidariedade.

    Um beijo enorme.

    ResponderEliminar
  16. Olá Argos

    Peço desculpa por este atraso mas tanta água tem corrido debaixo da ponte que tenho procurado manter-me à tona .

    Sublime o poema de Nuno Júdice, um dos meus poetas predilectos.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  17. Amigo ARGOS,

    un bello poema de Nuno Júdice, no lo conocian gracias por compartirlo con nosotros todos.

    Tu los conoces todos o casi todos, sera por eso que nos propones siempre muchos diferentes y buenos.

    un abrazo grande

    ResponderEliminar
  18. Bello poema!!!!!!!!!!!! y la primera vez que oigo hablar de su autor, gracias por compartir.
    Besazos

    ResponderEliminar
  19. Olá Luna

    Fico muito feliz por teres gostado do poema.
    Nuno Júdice é um dos grandes poetas contemporâneos portugueses.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  20. Olá Sonhadora

    Não sabia que gostavas de Nuno Júdice!
    Mas como não gostar de uma poesia melancólica, interrogativa e reflexiva que nos leva a “viajar” pelo interior do poema?

    Beijo

    ResponderEliminar
  21. Hola Fonsilleda

    A voz faz-nos dano porquê?
    Porque a ouvimos ou porque não a ouvimos de verdade?

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  22. Hola Christian

    Concordo contigo, um belo poema!
    Não tens que agradecer por visitarmos os teus blogs, o prazer é nosso!

    Abraço de toda a equipa do Farol

    ResponderEliminar
  23. Duna

    São de facto uns belos e “difíceis” versos!
    Aconselho-te vivamente a que "descubras" a obra deste poeta, vale a pena.

    Beijo

    ResponderEliminar
  24. Olá Isa

    A equipa do Farol agradece as tuas palavras simpáticas e incentivadoras.
    Escolheste bem a palavra para caracterizar o poema de Júdice: Forte!
    De facto toda a sua poesia é forte e reflexiva.

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  25. Gara

    Agora que já sabes quem é Nuno Júdice, promete que vais procurar conhecer a sua obra!

    Abraço

    ResponderEliminar
  26. António,

    Os amigos do Farol agradecem o selinho e desejam que este seja o primeiro de muitos e muitos anos de poesia!
    Parabéns pelo blog fantástico que criou!

    Abraços da Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  27. Olá Carla

    Obrigado por partilhares connosco estas palavras de Clarisse Lispector, uma grande dama da poesia internacional.
    Todos nós nascemos com o dom de ferir facilmente, mas perdoar…exige uma longa aprendizagem!

    Abraço

    ResponderEliminar
  28. Sandra

    Obrigado pela tua visita e simpáticas palavras.
    Que o teu blog continue muitos anos na nossa companhia, são os desejos dos amigos do Farol

    Tétis , Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  29. Francisco

    Fico feliz por gostares de ler em português!
    Não sei se é o idioma mais romântico, mas nós, os portugueses, somos românticos e poetas!

    Abraço

    ResponderEliminar
  30. Amiga Tétis

    Porque será que levamos sempre tanto tempo a perceber quem são os verdadeiramente grandes nas artes?
    Poesia, teatro, cinema…tanto tempo para reconhecer, quando reconhecemos!

    Abraço grande, grande

    (eu sabia que ias gostar do poema)

    ResponderEliminar
  31. Alma Inquieta

    Não sou muito bom com as palavras, mas acredita que o que escrevi foi mesmo de coração.
    Um grande abraço e qualquer dia vou visitar o teu cantinho onde se respira tanta paz e amizade.

    Um abraço muito grande

    ResponderEliminar
  32. Adara

    Então está na hora de começar a praticar o português!
    Que tal começares com a obra de Nuno Júdice? Não te vais arrepender.

    Abraço

    ResponderEliminar
  33. Isabel

    Eu também peço desculpa por andar meio fugido dos blogs amigos!
    Estou em falta para consigo e acredite que sinto saudades do seu cantinho.
    Prometo fazer uam visita em breve.

    Por favor, mantenha-se à tona, pois os seus amigos não largarão o cabo!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  34. Amigo Poseidón

    És muito simpático nas tuas palavras, mas eu só conheço uma ínfima parte dos grandes poetas!
    Quem me dera viver o suficiente para os conhecer a todos!

    Um abraço grande

    (sabias que Nuno Júdice é um admirador de Verlaine? )

    ResponderEliminar
  35. Olá “Amor”

    Ainda bem que gostaste deste poema.
    Se puderes, tenta ler mais poesia deste autor, estou certo que vais gostar!

    Abraço

    ResponderEliminar
  36. Olá Belkis

    Fico feliz por teres gostado deste poema. Nuno Júdice é um poeta melancólico, mas muito actual!

    Abraço

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.