segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

La femme a une puissance singulière ..


« La femme a une puissance singulière qui se compose de la force et de l’apparence de la faiblesse. »

Victor Hugo 


sábado, 1 de dezembro de 2018

Liza Minnelli e Luciano Pavarotti



Liza Minnelli é uma actriz e cantora norte-americana.

Nascida em Los Angeles em 12 de Março de 1946, Liza May Minnelli, filha da lendária actriz e cantora Judy Garland e do seu segundo marido, o director Vincent Minnelli, consagrou-se como a cantora e dançarina Sally Bowles no filme "Cabaré", que lhe rendeu em 1972 o Óscar de melhor actriz.

Liza apareceu nas telas pela primeira vez em 1949, aos 14 anos de idade na cena final do filme "In the Good Old Summertime", onde participaram  sua mãe e Van Johnson. Aos 16 anos foi para Nova Iorque tendo-se iniciado na Broadway com um revival do musical "Best Foot Forward". No ano seguinte participu em Londres, juntamente com a sua mãe, num espectáculo que teve um enorme êxito. Voltou à Broadway aos 19 anos ganhando o primeiro de muitos prémios que viria a receber, como melhor actriz em “Flora the Red Menace”. Em 1969, com 23 anos de idade, foi indicada para o primeiro Óscar pelo papel de Pookie Adams no filme “The Sterile Cuckoo”.


Os anos 70 foram de grande actividade para Liza, actuando nos palcos, no cinema e na música. Em 1972 protagonizou um dos maiores sucessos da sua carreira no filme “Cabaret”, tendo-se celebrizado como um dos maiores ícones do cinema mundial e tendo-lhe sido reconhecido o seu grande talento como cantora. Em 1974 participou como narradora do filme, com Fred Astaire e Gene Kelly,  “Isto é espectáculo”. Em 1977 volta a brilhar no filme de Martin Scorsese, “New York, New York”, ao lado de Roberto DeNiro.

Após a sua participação, em 1981, no filme “Arthur”, Liza Minnelli fez poucas aparições no cinema, dedicando-se mais aos palcos e à música. Gravou nos anos 80 o CD “Duets” com Frank Sinatra e Sammy Davis Jr., tendo juntos feito grande sucesso com uma série de concertos e espectáculos na televisão.

Em 1997 estreou na Broadway o espectáculo “Minnelli ou Minnelli”. Em 2006 gravou a canção “Mama” com a banda “My Chemical Romance”.

Ao longo da sua carreira, Liza Minnelli tem sido distinguida com vários prémios, nomeadamente e entre outros:

Prémio Tony, em 1965 como melhor actriz principal em “Flora the Red Menace”; Prémio David di Donatello, em 1970 como melhor actriz estrangeira em “Os Anos Verdes”); Óscar de Melhor Actriz, Prémio Globo de Ouro de Melhor Actriz e Prémio BAFTA de Cinema, em 1973 em “Cabaret”; ainda em 1973 Prémio Emmy do PrimeTime, em “Liza com Z”; em 1974 Prémio por “Lifetime Achievement in the Theatre”; em 1978 Prémio Melhor Actriz Principal em “The Act”; em 1986 Prémio Melhor Actriz em “A Time to Live”; Grammy Award, Prémio de Lenda da Música, em 1991; em 2002 Prémio Carreira; Prémio GLAAD Media: Vanguarda, em 2005; Grammy Hall of Fame Award, em 2008 (“Cabaret” - Original Sound Track Recording); em 2009 Prémio de Melhor Actriz por “Liza at the Palace...!”;  e  Drama Desk Award: Especial, em 2009.

(Adaptado de:  http://educacao.uol.com.br/biografias e Wikipédia)



Luciano Pavarotti (1935-2007) foi um mundialmente famoso tenor italiano.

Filho de uma operária fabril e de um padeiro, Luciano Pavarotti nasceu em Modena, Itália, a 12 de Outubro de 1935.

Estudou na “Scuola Magistrale”, onde se licenciou, tendo em 1955 começado a ter aulas de canto com Arrigo Pola e Ettore Campogalliani. Foi professor primário antes de dedicar-se profissionalmente à ópera.

Cantou pela primeira vez no coro de Modena juntamente com o pai, um amante da ópera. A sua primeira aparição em público deu-se em 1961 em Reggio Emilia com “La Bohème”, o que lhe deu rapidamente a popularidade. Em 1963 interpretou, em Amesterdão, o  Edgardo do “Lucia di Lammermoor”. Segue-se Glyndebourne, em 1964, com Idamante de Mozart e a estreia em Covent Garden como Rodolfo. Interpreta no mesmo ano os papéis de Alfredo, Elvino de “La Sonnambula”, Tonio de “La Hija del Regimiento”, gustavus III de “Un Ballo in Maschero”, Riccardo, Cavaradossi, Rodolfo de “Luisa Miller” e Radamés e Nemorino de “L’Elisir d’Amore”.

A sua primeira apresentação nos Estados Unidos, em Miami, deu-se em 1965, seguindo-se-lhe uma turné por Austrália com a companhia “Sutherland Williams”. No mesmo ano passa pelo La Scala com “Rigoletto”, “I Capuleti e i Montecchi”, de Bellini e “Manon” de Massenet. Aí cantou também na representação de “Requiem” de Verdi na celebração do centenário de Toscanini.

Foram muitas as cidades onde actuou e inúmeros as interpretações, nomeadamente Gustavus, Calaf e Enzo (“La Gioconda” de Ponchielli), Manrico de “Il Trovadore”, Fernando de “La Favorita” de Donizetti, Ernani, Idomeneo, Arturo (“I Puritani”) e Cantante Italiano de “El Caballero de la Rosa”.

A sua voz inconfundível em interpretações como Nemorino de “L’Elisir d’Amore”, “Ernani” de Verdi, Radamés de “Aida”, o príncipe Calaf de “Turandot e Otello” de Verdi, transformaram-o num dos grandes tenores contemporâneos e um dos melhores pagos de toda a história.

Em 1977, a transmissão televisiva de “En vivo desde el Met”, colocou Pavarotti no lugar do artista com maior audiência na história das óperas televisivas.  Durante a década de 1980 e princípios da de 1990, tornou-se popular em todo o mundo pelos frequentes recitais populares. As actuações com os tenores espanhóis José Carreras e Plácido Domingo também foram famosas, destacando-se os concertos “Los tres tenores” apresentados em Roma (1991) e em Los Angeles (1994). As vendas impressionantes da sua discografia converteram-o no tenor mais popular da segunda metade do século XX.

Retirou-se em 13 de Março de 2004 na Ópera Metropolitana de Nova Iorque com a interpretação de Mario Cavaradossi de “Tosca” de Puccini. Em Maio do mesmo ano anuncia “El tour del adiós” composto por 40 concertos em todo o mundo. Em Fevereiro de 2006 interpretou “Nessun dorma” do “Turandot” de Puccini, encerrando a cerimónia de inauguração dos “Jogos Olímpicos de Inverno de 2006” no Estádio Olímpico de Turim.
Luciano Pavarotti, figura chave na popularização da ópera, recebeu um Grammy em 1991 como melhor cantor clássico e em 2005 o Prémio Liberdade da Cidade de Londres e a Cruz Vermelha por Serviços à Humanidade. O seu nome aparece no livro “Guiness Record” pela maior ovação de uma hora e sete minutos na Ópera de Berlim em 1988.

O grande tenor faleceu a 6 de Setembro de 2007, aos 71 anos, na sua casa na Toscana, na sequência de um câncro no pâncreas, tendo sido sepultado no cemitério Montale Rangote.


(Adaptado de: Buscabiografias.com)


......*****......



terça-feira, 20 de novembro de 2018

Día Universal del Niño..




El Día Universal del Niño, que se celebra todos los años el 20 de noviembre, es un día dedicado a todos los niños y niñas del mundo.
Es un día de celebración por los avances conseguidos, pero sobre todo es un día para llamar la atención sobre la situación de los niños más desfavorecidos, dar a conocer los derechos de la infancia y concienciar a las personas de la importancia de trabajar día a día por su bienestar y desarrollo.   

¿Cuándo se celebra el Día Universal del Niño?

Naciones Unidas celebra el Día Universal del Niño el 20 de noviembre, fecha en la que la Asamblea General de la ONU aprobó la Declaración de los Derechos con gobiernos de todo el mundo, líderes religiosos, ONG, y otras instituciones del Niño en 1959. Esta declaración, que no tenía legalmente carácter vinculante, no era suficiente para proteger los derechos de la infancia. Tras diez años de negociaciones, se logró acordar el texto final de la  Convención sobre los Derechos del Niño, el 20 de noviembre de 1989, cuyo cumplimiento es obligatorio para todos los países que la han firmado.

La Asamblea General de la ONU recomendó en 1954 destinar un día a fomentar la fraternidad entre los niños y las niñas del mundo, y promover su bienestar con actividades sociales y culturales. 

¿Para qué sirve el Día Universal del Niño?

El objetivo del Día Universal del Niño es recordar a la ciudadanía que los niños son el colectivo más vulnerable y, por tanto, que más sufre las crisis y los problemas del mundo. 



Este día mundial recuerda que todos los niños tienen derecho a la salud, la educación y la protección, independientemente del lugar del mundo en el que hayan nacido.

Dedicar un día internacional a la infancia también sirve para hacer un llamamiento mundial sobre las necesidades de los más pequeños y para reconocer la labor de las personas que cada día trabajan para que los niños y niñas tengan un futuro mejor. 

¿Qué se puede hacer en este día?

El 20 de noviembre es una ocasión especial para que todo el mundo conozca los derechos de los  niños y para recordar la importancia de trabajar para conseguir el bienestar de todos los niños y las niñas del mundo. 

Es un buen día para conocer las distintas formas de colaborar con los niños más vulnerables, para que sus derechos sean reconocidos y garantizar su bienestar y desarrollo. 






terça-feira, 13 de novembro de 2018

Andaluzita

E aqui estamos de novo para vos falar de mais uma pedrinha. É agora a vez da Andaluzita ou Andaluzite.


Subsiste a dúvida relativamente à descoberta da Andaluzita, dado que uns dizem ter ocorrido em 1789 na região de Andaluzia, em Espanha, enquanto outros afirmam que foi encontrada originalmente em Guadalajara, no México, em 1754 e roubada pelos espanhóis que a trouxeram para Espanha e lhe deram o nome duma região espanhola.

A Andaluzita pertence ao grupo mineral dos silicatos, um silicato de alumínio com 63% de alumínio e 37% de sílica, que ocorre naturalmente e não necessita de qualquer tratamento para ser mais atraente, como acontece com a maior parte das outras pedras.

A Andaluzita ocorre em rochas de granulação grossa, em faixas ou em camadas folheadas, originária do metamorfismo de baixo e médio grau em rochas argilosas. A sua ocorrência típica dá-se em xistos afectados pelo calor e em áreas de quartzo e feldspato, onde é encontrada juntamente com outros minerais, tais como o coríndon, o topázio e a turmalina.

Pode ser encontrada a Andaluzita nos xistos dos gnaisses da Austrália, Brasil, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Rússia, Sri Lanka, Bolívia e Chile. A variedade Chiastolita
encontra-se na França (Bretanha), na Espanha (Galiza), na Argélia, Austrália meridional, na Bolívia, no Chile, nos Estados Unidos (Califórnia) e na Rússia (península de Kola).
Esta pedra pouco conhecida mas de grande beleza tem como característica muito própria o facto de apresentar cores diferentes segundo o ângulo em que é observada.

De brilho vítreo e resinoso, as suas cores vão do branco ao castanho avermelhado e ao vermelho-róseo, podendo também apresentar-se nos tons verde amarelado, verde oliva, violeta e cinza esverdeado ou cinza pérola.

Devido à sua fragilidade, a Andaluzita é pouco utilizada em jóias. A variedade
transparente, a mais rara, é de lapidação difícil e utiliza-se em anéis e pingentes.

Os seus tons “terra” fazem com que a Andaluzita seja uma boa escolha para jóias masculinas. A Chiastolita, uma variedade opaca, branca a cinzenta, apresenta-se em prismas alongados que, uma vez cortados perpendicularmente ao eixo, mostram inclusões de carbono em forma de cruz, sendo por isso chamada de Andaluzita Estrela ou “pedra da cruz”. Devido ao simbolismo da forma em cruz, esta variedade é usada em muitos países como amuleto de protecção contra o mau-olhado e maldições.

Atribui-se à Andaluzita certas propriedades curativas. É apreciada pelo seu poder anti-inflamatório, alívio da dor da artrite, inflamação das articulações, gota e reumatismo e
cura do tecido conjuntivo da pele.

Alguns curandeiros afirmam que influencia músculos e nervos , podendo reduzir espasmos. Tradicionalmente era usada para aumentar a lactação, equilibrar o fluxo de sangue e aliviar edema. Os curandeiros também a usavam para reduzir a febre e estimular um sono reparador. 

Metafísica e emocionalmente a Andaluzita alivia o medo, especialmente para aqueles que estão perto da morte e encoraja a moderação e o equilíbrio, permitindo à personalidade amadurecer e aprender a funcionar de forma independente. Pode dissipar as energias negativas ajudando quem a use a lidar bem com o stress. 

A Andaluzite trabalha com o chakra do plexo solar (chakra do coração) aliviando bloqueios emocionais e traumas e apontando para possíveis resoluções e podendo transformar o conflito em paz harmoniosa . Convém deste modo às pessoas que procuram equilíbrio
entre materialismo e espiritualidade.

Durante uma doença a Andaluzita ajuda a manter uma perspectiva espiritual e a ver o lado bom do processo . Pode ajudar no processo de morte e renascimento , promovendo uma compreensão da imortalidade, e fornecer uma ponte para "atravessar " desta vida para a próxima. 

Considerada uma pedra de prosperidade, a Andaluzita encoraja a moderação e fornece a energia necessária para gerir bem a vida. Ao estimular o poder da criatividade e a memória prática, principalmente para projectos a longo prazo, ela dá a visão necessária ajudando a racionalizar através da observação de todos os aspectos de uma determinada situação. 

Esta bela pedra é considerada rica ao longo de toda a história da humanidade. 

Os Albigenses (Albi região francesa) ofereciam a Andaluzita à Virgem Maria pois acreditavam que ela os protegeria nos combates da época. 

Os Cavaleiros da Ordem Templária usavam a Andaluzita nos seus rituais baseados nos segredos da Ordem dos Cavaleiros Pobres de Cristo. 

Os Cavaleiros de Malta, ordem fundada na Terra Santa, acreditavam nos poderes milagrosos da Andaluzita. Segundo seus mistérios a denominada “pedra da cruz” era originária duma gota de sangue de Jesus. Os cavaleiros da Ordem de Malta sabiam e propagavam a filosofia de caridade onde a Andaluzita apenas ajudava os puros de coração. Quando caísse nas mãos de uma pessoa materialista a mesma não ajudaria em momento algum. 

A Andaluzita é a pedra do signo do zodíaco Touro embora tenha também afinidade energética com os signos de Leão, Virgem, Gémeos, Aquário e Capricórnio.


Jóias de Andaluzita

domingo, 4 de novembro de 2018

Acróstico de Constancia..





C O N S T A N C I A
Cuida tu mente
Olvida tus límites
Nutre tu cuerpo
Siente tu energía
Toma el riesgo
Alcanza tus metas
Noquea tus miedos
Cultiva tus costumbres
Ignora lo nocivo
Asumes el desafió?