terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Dezembro

E porque hoje é Dezembro e porque me sinto um pouco nostálgico vou colocar aqui um poema que me embalou durante todos os “Dezembros” da minha infância.

Balada da Neve

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho...

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria...
- Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho...

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança...

E descalcinhos, doridos...
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!...

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!...

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
- e cai no meu coração.

Augusto Gil

27 comentários:

  1. Un bellisimo poema lleno de sentimientos
    un beso

    ResponderEliminar
  2. Me encanta leer portugués, me parece dulce y delicado....
    Gracias por compartir el poema.

    Besitos dulces.

    ResponderEliminar
  3. Ola Argos
    este poema é lindissimo, lembro-me de o aprender na escola, foi sempre um dos meus favoritos, tanto assim que recordo um Natal em que eu e o meu irmão mais novo resolvemos recitá-lo, na noite da consoada.
    Argos embora a neve seja um espectaculo belissimo, que ela nunca se instale no nosso coração, onde só deve ter lugar o calor e harmonia.
    Beijos de luz,
    Isa

    ResponderEliminar
  4. E giro, mais é um bocado triste... tambem como sao as ferias de Natal... que sao... boas mas .... nostalgicas....

    Gosteí do poema... da tua epoca de crianca, sao recordos... especiais... que llevam-se no coracao.... toda a vida..

    Beijinhos e muito obrigada por partilhar con nos este lindo poema ....

    ResponderEliminar
  5. Querido amigo

    Não tenho qualquer dúvida em considerar que este é um dos mais belos poemas em língua portuguesa.

    Ao lê-lo nós conseguimos viver, sentir todas as sensações nele descritas: algo que bate levemente, a melancolia que é transmitida pelos pinheiros do caminho brancos de neve, a neve a cair, branca, leve e fria...

    E depois a parte que mais nos faz "doer o coração": os traços miniaturais duns pezitos de criança e descalcinhos, doridos... em sulcos compridos, porque não podia erguê-los!....

    E ainda na parte final:
    Cai neve na Natureza - e cai no meu coração
    .

    Augusto Gil, advogado e poeta por nós tão esquecido, foi um homem duma extrema sensibilidade. Se assim não fosse, como poderia ter escrito tão tocante e belo poema?

    Parabéns Argos, uma escolha divinal, do poema e da tela de Monet que o completa.

    Um grande abraço amigo

    ResponderEliminar
  6. Ola Tétis, Argos e Poseidon
    Estou a comemorar os meus 100 seguidores e estou feliz. Tenho um selo para vos oferecer. Obrigada por serem meus seguidores e amigos.
    Beijo de luz
    Isa

    ResponderEliminar
  7. Oi Argos, apesar de triste é um lindo poema.
    Abração

    ResponderEliminar
  8. Olá Argos,

    Gosto muito do poema (uma belissima escolha!) gosto, ainda mais, da tua introdução.
    Dezembro, por variadissimas razões provoca, em muitos de nós uma certa nostalgia. Não és o único!

    Abraço, Amigo.

    ResponderEliminar
  9. há um selinho especial para este cantinho, no meu cantinho...

    ResponderEliminar
  10. Hola ARGOS,

    Bellisimo poema, aunque un poco triste.

    Es un placer descubrir y viajar con recuerdos de los libros que leimos.

    Al final ayudan mucho a realizanrnos y tal vez encontrar respuestas, ya vividas por otros y ahora por nosotros.

    Un abraço e feliz fim de semana

    ResponderEliminar
  11. Que friolero y bello más, para disfrutar todos juntos, de la nieve, de la vida en familia, del amor, del cariño, de la amistad.

    Bonito poema, un besito para el creador, que pase un feliz fin de semana.

    ResponderEliminar
  12. belissimo texto! Parabéns!
    Agradeço vossa visita e carinho de sempre.

    BOM FDS............Beijos meus!

    ResponderEliminar
  13. Não poderia ser mais lindo.Parabéns!

    Bom dia e ótimo Sábado.....Bjs!

    ResponderEliminar
  14. Olá Luna

    Concordo contigo, um poema cheio de sentimentos!
    Sei que é um pouco triste, mas gosto muito dele.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  15. Hadaluna

    Fico muito feliz por considerares o português uma língua doce e delicada.
    Penso que tens razão, embora a minha opinião seja facciosa!
    Não tens que agradecer por eu compartilhar o poema com todos vocês, eu é que digo obrigado por teres gostado!

    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Olá Maysha

    Julgo que a maioria dos portugueses conhece estes versos e os recorda com nostalgia dos tempos da escola, mas se perguntar por outros poemas deste autor o que acontece?
    Ninguém se lembra! Devemos fazer alguma para mudar esta situação.
    Maysha, eu sei que o nosso coração deve ser como a lareira que aquece o lar: calor e harmonia, não esqueço!
    Também queremos agradecer o selinho que comemora o seu 100º seguidor, para nós é uma honra coloca-lo no nosso blog!
    Parabéns, a Maysha merece tudo de bom pelo magnífico trabalho que tem feito no seu “cantinho”, onde se respira muito carinho e paz!

    Um grande abraço dos amigos do farol

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  17. Gara

    O prazer é nosso, pelas suas visitas e palavras simpáticas que nos deixa!

    Um abraço dos três amigos

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  18. Estrella Altair

    Concordo contigo, o poema é um pouco triste, mas talvez funcione como um aviso: Nem tudo é paz, luz e calor no Natal, há muitas pessoas a precisar de nós!
    Quanto ás recordações, elas são ternas!

    Beijos

    ResponderEliminar
  19. Olá amiga Tétis

    Sabia que ias gostar deste poema. Não sei se é um dos mais belos da língua portuguesa mas sei que é um dos mais conhecidos e paradoxalmente é lamentável que o povo que supostamente o aclamou, que adoptou os seus poemas, não reconheça o seu nome!
    Quanto a Monet e o impressionismo…outra das minhas paixões! :)

    Um abraço grande, grande

    ResponderEliminar
  20. Olá Wanderley

    De acordo, um belo, intenso e sentido poema!

    Abraço e obrigado

    ResponderEliminar
  21. Teresa

    Gosto deste poema e quase se perde na memória a primeira vez que contactei com ele.
    Não sei muito bem o que me levou a publicá-lo. Dezembro? Nostalgia?
    Impossível explicar! É um daqueles impulsos, sentimentos que por vezes nos assaltam e só temos duas hipóteses: deixar que essa “força” nos leve ou afundar o impulso dentro de nós, contrariando um momento talvez irrepetível!

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  22. Lands books

    A “equipa” do Farol agradece o selinho sensibilizada.

    O nosso obrigado e um abraço


    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  23. Amigo Poseidón

    Um poema um pouco triste, mas na vida nem tudo e belo e alegre!
    Em relação ao viajar e aprender com os livros….meu amigo, quantas vezes falamos sobre esse assunto no Messenger?
    Imensas! E sempre chegamos a uma conclusão: Um livro é um mundo, mas temos que nos resguardar para não nos perdermos dentro dele!

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  24. Olá Francisco

    "Friolero y bello" como este tempo de Natal!
    Nunca é demasiado recordar Augusto Gil e a sua poesia.

    O meu obrigado pela visita e palavras simpáticas!

    ResponderEliminar
  25. Olá Maria

    Fico feliz por gostares deste poema
    Não tens que agradecer a nossa visita, o prazer é nosso!

    Um abraço dos amigos do farol

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  26. Olá, bom ver você, obrigado por visitar-me, porque eu não tenho nenhum problema na Galiza a ler e escrever outra coisa, mas vou tentar neste belo poema.
    As crianças não têm que sofrer, mas se isso acontecer em torno de nós e é isso que faz com que a neve enche os nossos corações. Como é triste, mas real, e junto a nós, mais do que pensamos. Uma saudação e felicitações para o seu blog

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.