segunda-feira, 18 de maio de 2009

Os Poetas do Parque

Fernando Pessoa (1888-1935)
Parte 3

Mais um passeio pelo Parque dos Poetas, ainda com Fernando Pessoa, mas desta vez com o seu heterónimo Alberto Caeiro.

ALBERTO CAEIRO

Alberto Caeiro da Silva é considerado o mestre de todos os heterónimos Pessoanos e foi criado no dia 8 de Março de 1914.
Fernando Pessoa construiu-lhe uma biografia completa.
Alberto Caeiro nasceu em 16 de Abril de 1889, em Lisboa, no entanto, órfão de pais, viveu quase toda a sua vida no Ribatejo, na quinta de uma tia-avó.
Era de estatura média, louro, de pele muito branca e olhos azuis.

Não teve profissão e a educação cingiu-se à instrução primária.
Foi no Ribatejo que escreveu o elementar da sua obra: primeiro “O Guardador de Rebanhos”, depois “O Pastor Amoroso” que não foi concluído. Voltou para Lisboa no final da sua vida e aí escreveu os “Poemas Inconjuntos”, antes de morrer de tuberculose em 1915 com vinte e seis anos de idade.
Caeiro escrevia (com a linguagem simples e o vocabulário limitado de um poeta camponês pouco ilustrado) uma poesia livre, inovadora, próxima da prosa e do falar diário. Nos seus poemas longos, não há muitas regras métricas, nem de estrofes nem de rimas. Mas, sob a aparência exterior de uma justaposição arbitrária e negligente de versos livres, há uma organização rítmica cuidada e coerente. Alberto Caeiro é o “abstrador” paradoxalmente inimigo de abstracções; daí a secura e pobreza lexical do seu estilo.

Ao contrário de Pessoa, foi o poeta do real nunca fugindo para o sonho.
Fernando Pessoa chamou a Caeiro “Mestre”, porque enquanto Pessoa ortónimo procurava constantemente conhecer o que está para além daquilo que se vê e sente,
Caeiro não procurava qualquer sentido para a vida porque lhe bastava aquilo que via e sentia em cada momento. Praticava o realismo sensorial, numa atitude completamente oposta à meditação da poesia simbolista de Pessoa. É o poeta que se volta para a fruição directa da Natureza, buscando “as sensações das coisas tais como são” e opondo-se radicalmente ao intelectualismo, à abstracção, à especulação metafísica e ao misticismo.
O importante para ele é o ver e o ouvir: “A sensação é tudo (...) e o pensamento é uma doença”. É por isso o mais objectivo dos heterónimos, procurando o objectivismo absoluto e eliminando todos os vestígios da subjectividade.Calmo, naturalmente conciliado consigo mesmo e com o mundo, Alberto Caeiro possuía a mansidão e a sabedoria que os outros invejavam.


Resumindo: Alberto Caeiro é o mestre que Fernando Pessoa contrapõe a si mesmo e com o qual tenta aprender um sentido para a vida, a viver sem dor, a envelhecer sem ânsia, a morrer sem angústia, a sentir sem pensar e a ser um poeta não fraccionado.

"O GUARDADOR DE REBANHOS"

O Guardador de Rebanhos é uma obra constituída por 49 poemas que foram publicados
em 1925 nas 4ª e 5ª edições da revista Athena, com excepção do 8º poema do conjunto que só viria a ser publicado em 1931, na revista Presença. Em 1946 foram publicados na íntegra pela primeira vez, no volume intitulado Obras Completas de Fernando Pessoa. III. Poemas de Alberto Caeiro (Lisboa, Ática, 1946).

Existe, contudo, alguma polémica e dúvidas quanto à data em que “O Guardador de Rebanhos” foi escrito.

Na Biblioteca Nacional de Portugal, que guarda o espólio de Fernando Pessoa, existe um manuscrito, sem dúvida um dos mais interessantes deste espólio, que é o manuscrito de O Guardador de Rebanhos, autógrafo assinado por Fernando Pessoa e Alberto Caeiro. Este manuscrito inclui 49 poemas, escritos no mesmo tipo de papel, com o mesmo tipo de instrumento de escrita e a mesma caligrafia. Esta "unidade de escrita, de local e de tempo de concepção" parece sugerir que este conjunto de poemas foi escrito de um jacto e "em êxtase". Assim sendo, esta teoria viria confirmar a existência do tal "dia triunfal" a que se refere Pessoa na famosa carta a Casais Monteiro (13 de Janeiro de 1935) sobre a génese de O Guardador de Rebanhos e do seu heterónimo Alberto Caeiro:

"Num dia em que finalmente desistira - foi em 8 de Março de 1914 - acerquei-me de uma cómoda alta e, tomando um papel, comecei a escrever, de pé, como escrevo sempre que posso. E escrevi trinta e tantos poemas a fio, numa espécie de êxtase cuja natureza não conseguirei definir. Foi o dia triunfal da minha vida, e nunca poderei ter outro assim. Abri com um título “O Guardador de Rebanhos”. E o que se seguiu foi o aparecimento de alguém em mim, a quem dei desde logo o nome de Alberto Caeiro. Desculpe-me o absurdo da frase: aparecera em mim o meu mestre. Foi essa a sensação imediata que tive."

Contudo, uma leitura atenta do manuscrito permite mostrar que assim não é. A caligrafia é demasiado perfeita para ser escrita num ápice, num momento único de inspiração. Foram utilizadas pelo menos 4 canetas na redacção do manuscrito, as emendas do texto são de vários momentos e feitas com materiais diferentes, além de que existem várias dezenas de rascunhos e cópias intermédias conservadas neste espólio da Biblioteca Nacional. Estes documentos mostram que no processo de escrita de “O Guardador de Rebanhos” houve pelo menos três fases distintas: uma fase de rascunhos, uma fase de passagem a limpo e uma fase posterior de emendas. Outro aspecto ainda a salientar prende-se com a datação. Embora no final do manuscrito surja a data "1911-1912", com a mesma caneta utilizada na assinatura "Alberto Caeiro", alguns poemas estão datados no final a tinta vermelha, a mesma tinta que é usada na assinatura "Fernando Pessoa", que vem a seguir à do heterónimo, entre Março e Maio de 1914.

Estas são, provavelmente, as datas que mais se aproximam da realidade, se tivermos em conta as datas dos rascunhos existentes no espólio.
Todos os poemas de “O Guardador de Rebanhos” são pensamentos e sensações que mostram a forma simples e natural de sentir e dizer do seu autor, voltado para a natureza e as coisas puras.
Segundo Caeiro, a vida não deve ser pensada, deve ser sentida, mas não sentida com sentimentos, mas sim com os sentidos físicos, tacto, olfacto, paladar, audição e visão. Todo aquele que pensa automaticamente está cego para a realidade, pois "não existem coisas por trás das coisas, então não existe um objectivo real para o pensamento". Repare-se no poema que se segue em que Caeiro critica os poetas que pensam que existe no "luar através dos altos ramos" algo mais que o próprio "luar através dos altos ramos":

Poema XXXV

O luar através dos altos ramos,
Dizem os poetas todos que ele é mais
Que o luar através dos altos ramos.

Mas para mim, que não sei o que penso,
O que o luar através dos altos ramos
É, além de ser
O luar através dos altos ramos,
É não ser mais
Que o luar através dos altos ramos.

Toda a filosofia de Caeiro pode ser representada por estas palavras:

"As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas."

Alberto Caeiro revela no IX poema o verdadeiro significado do título de “O Guardador de Rebanhos”. Este poema é todo ele uma experiência do sentir. É através das sensações, dos cinco sentidos, que o poeta estabelece a relação com a realidade e essa forma de relação sensacionalista é o bastante para o fazer feliz.
Poema IX

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.


"O Guardador de Rebanhos" - interpretado por Mário Viegas (1948-1996)

Autores do post: Tétis e Argos

51 comentários:

  1. No me canso de felicitaros por vuestro magnífico trabajo. ¡Sois tremendos!

    Besos a repartir para los tres.

    ResponderEliminar
  2. Me identifico con Alberto Caeiro. Quizá no fuera muy ilustrado, pero sí era un Poeta, con mayúsculas y no veo porqué no se puede hacer poesía con palabras sencillas, sin usar cultismos muchas veces entendidos por pocas personas.
    Me identifico con él, me gusta.
    Bicos.

    ResponderEliminar
  3. Trabalho complexo, ilucidativo,
    Uma lição. de parte de Pessoa.
    Eram doze os heterónimos....não??
    Oh...'Fernando', que trabalho nos dás.
    Parabéns. Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Amigos Tétis e Argos,

    Amo Fernando Pessoa, nos Poemas de Alberto Caeiro, no momento estou lendo "Obra Poética II", muito bom.

    Venho convidá-los a conhecer meu novo Blog, quando houver tempo.

    www.oportalpoesias.blogspot.com

    Com essem, fecho 4 estilos.

    Abraços carinhosos a todos!

    Reggina Moon

    ResponderEliminar
  5. Que bom quando aqui entro e leio sobre Pessoa.
    Admirável Poeta.Foi muito difícil,
    para mim,numa turma do 12ºano, pouco dada a poesia, explicar a maneira como Fernando Pessoa se liberta de Caeiro e volta a si próprio!
    A aluna ficou na minha frente,de costas.Eu e ela éramos um.
    Lentamente 1º,rapidamente depois,afastei-me para a secretária.
    Assim...consegui!
    Identifico-me + com A.de Campos.
    Beijo.
    isa.

    ResponderEliminar
  6. Felicidades por tu pots,poeta y propulsor del surrealismo portugues.

    Un besito con cariño.

    ResponderEliminar
  7. Que trabajo mas hermoso nos enseña, te felicito.
    No lo conocia, pero me resulta un poeta, con palabras muy sencillas y con una gran ternura
    Un besito y buena semanita, amigo Rosario

    ResponderEliminar
  8. Hola Tétis y Argos, gracias por hacer este homenaje a un gran poeta.

    El poema elegido es muy hermoso.

    Muito obrigada parabéns.

    Maite

    ResponderEliminar
  9. Era interessante colocar a fonte dos textos usados para este post.

    ResponderEliminar
  10. Mi querido Poseidon, gracias por tus maravillosas palabras en mi blog, de nuestra querida tierra.
    Si entras nuevamente en mi blog, veras que te he colgado una foto del pueblo donde nacistes con todo mi cariño.
    Espero que te guste de todo corazón.
    Para ti mi amigo y mi paisano,Un besito Rosario

    ResponderEliminar
  11. No conocia a estos poetas Portugueses, he estado traduciendo y me han encantado los poemas, son bellisimos, muchas gracias por tanta belleza, besitos amigos mios

    ResponderEliminar
  12. Olha quem é ele!!!
    Nõ poderia vir mais a propósito daquelas conversas todas a respeito, que vamos tendo sobre.."aquilo que está oculto em todas as cousas"...
    Pois é ó isso que vale!!! E nos mantém é tona!
    E não, este pedaço de carne andante, feito de nervos, pele e ossos!

    Boa escolha deveriam estudar o lado espiritual deste nosso astrólogo que errou por 2 dias o dia da sua "partida"

    Beijos e abraços e sintam-SE a cada momento.
    Não racionalizem tudo...
    Nao pensem demais, a mente é a nossa pior inimiga...
    Não é o facto de lermos muito que nos faz cultos, e muito menos certas leituras que de conhecimento, são só rama!
    O verdadeiro conhecimento está na Sabedoria interna. A nossa visita aqui, a este plano terreno, é uma oportunidade única de NOS alcançarmos! - por exemplo: superármo-nos ou ficármos admirados connosco próprios numa qualquer situação/acontecimento, ou de pensamento!E isso não se aprende nos livros...é intrínseco, vem da alma!!!
    NÃO SE ENGANEM!!!

    Abraço-vos

    Sempre...
    MAriz

    ResponderEliminar
  13. Estupendo trabajo. Gracias por compartirlo. Fenomenal. Un abrazo

    ResponderEliminar
  14. Tétis y Argos,

    Fernando pessoa, está considerado uno de los poetas más importantes de la literatura portuguesa.

    Para mi, es el mas grande por su imaginación y creatividad que desde temprano se revela en el poeta.

    “Con tan solo seis años inventó el Chevalier de Pas. “


    Dejo para todos esta poesía en español :

    Si yo pudiera

    Si yo pudiera morder la tierra toda
    y sentirle el sabor
    sería más feliz por un momento...

    Pero no siempre quiero ser feliz
    es necesario ser de vez en cuando infeliz
    para poder ser natural...

    No todo es días de sol y la lluvia
    cuando falta mucho, se pide.

    Por eso tomo la infelicidad con la felicidad.

    Naturalmente, como quien no se extraña
    con que existan montañas y planicies
    y que haya rocas y hierbas...

    Lo que es necesario es ser natural y calmado
    en la felicidad o en la infelicidad.

    Sentir como quien mira
    pensar como quien anda,
    y, cuando se ha de morir,
    recordar que el día muere
    y que el poniente es bello
    y es bella la noche que queda.

    Así es y así sea.


    Para mis dos amigos os mando un grande abrazo

    ResponderEliminar
  15. Fernando Pessoa, tão complexo e maravilhoso, é uma descoberta fantástica a cada novo poema estudado. Não me canso de admirá-lo e elegê-lo como meu mentor. É, sem dúvida, o grande poeta português intemporal...

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  16. Luisa,

    Obrigado pelas suas palavras sempre tão amáveis.
    Nós os três tentamos fazer do blog um local aprazível que nos liberte do stress quotidiano.

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  17. Olá fonsilleda,

    Estamos de acordo. Não são necessárias palavras elaboradas para fazer poesia.
    Julgamos até, que é nas coisas mais elementares que ela está presente!
    A chave é: SENTIR!

    Beijo e abraço

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  18. Olá Andrade,

    Não ficamos muito cansados com a "trabalheira" que o Pessoa nos dá, pois não?
    Quem não gosta de se "perder"e sonhar por entre os heterónimos dele?

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  19. Amor y libertad,

    Um grande poeta da descoberta e do sentido da vida.
    Um bom professor!

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  20. Olá Reggina,

    Nem imaginas como ficamos felizes por gostares e estares a ler Fernando Pessoa!


    Já visitei o teu novo blog e mais logo deixo lá um abraço. Parabéns pelos teus espaços!

    Um abraço, não, dois abraços para ti

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  21. Cristina,

    Porque será que também nós gostamos tanto de ler Fernando Pessoa?
    Pela forma como criou e desenvolveu?
    Porque nos identificamos, mas ao contrário dele não tivemos a coragem de nos expor?

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  22. Olá Isa

    Fernando Pessoa é "um em muitos" e "muitos em um" e por isso nem sempre é fácil para todos entendê-lo.
    Deves ter tido uma trabalheira em conseguir que essa turma do 12º entendesse o "nascimento" e a "morte" de Caeiro. Essa técnica que utilizaste foi uma belíssima ideia. É uma prova irrefutável que muitas vezes os gestos dizem mais do que as palavras!...

    Álvaro de Campos, aquele com quem mais te identificas virá em breve. Aguarda-o...

    Beijos amigos,

    Argos e Tétis

    ResponderEliminar
  23. Gracias Carmen

    Continuaremos com Fernando Pessoa, ou melhor, com os seus outros dois heterónimos (Ricardo Reis e Álvaro de Campos) em mais dois posts desta série.

    Contamos com a tua companhia nestes passeios pelo Parque dos Poetas.

    Besitos,

    Argos y Tétis

    ResponderEliminar
  24. Hola Rosario

    Ficamos felizes por teres ficado a conhecer um dos grandes poetas portugueses e por teres gostado dos excertos dos seus poemas que aqui colocámos.

    Informamos-te que ainda iremos continuar com Fernando Pessoa em mais dois posts. Assim, estás desde já convidada para apareceres e disfrutares de mais alguns momentos de poesia.

    Besitos

    Argos y Tétis

    ResponderEliminar
  25. Olá Pande

    Ficamos sempre muito agradados com as tuas visitas e por nos deixares algumas palavrinhas em português.

    Iremos continuar com este grande poeta em mais dois posts desta série. Fica atenta.

    Besitos

    Argos y Tétis

    ResponderEliminar
  26. Argos,

    Muito obrigada pela visita em meus Blogs, me sinto sempre muito feliz!
    Hoje, além de vir visitar este querido Blog, em especial venho agradecer ao comentário em meu Blog novo, O Portal, esse, de todos, é o mais carregado de emoção para mim, e será o mais difícil desafio, pois me remete à lembranças pessoais profundas.As postagens vão ser mais pesadas, e os Poemas complexos.Espero que gostem...

    Um grande abraço,

    Reggina Moon

    ResponderEliminar
  27. Este post está fantástico. Parabéns a vocês!!

    Abraços!

    ResponderEliminar
  28. Nuno,

    Pensamos que tens alguma razão no teu comentário.
    Mas a verdade é que este blog é só para distracção entre amigos.
    Esta série em particular, só tem como função dar a conhecer de forma leve e despretensiosa alguns dos poetas portugueses mais relevantes, em suma, criar um primeiro contacto.
    Se reparares, não é um trabalho académico exaustivo, onde aí sim deveríamos colocar toadas as fontes utilizadas.
    No entanto, a tua chamada de atenção fica registada e na próxima reunião do farol será debatida.

    O nosso obrigado

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  29. Linda Amiga:
    Pessoa "vestiu-se" de imensos.
    Para lá de ter uma significação múltiplica criou com os seus sensíveis heterónimos pessoas que pensam, agem e sentem, como um único Ser deslumnbrante.
    Admiro-o. Ao seu talento. Ao seu génio literário. À sua pessoalidade e riqueza admirável da sua interioridade fabulosa.
    Hoje, dedicou-lhe o "brilhantismo" de si.
    Bem-Haja, por isso e pelo seu valor fabuloso e ímpar.
    Adorei ler tudo do prncípio ao fim.

    "...Penso com os olhos e com os ouvidos
    E com as mãos e os pés
    E com o nariz e a boca.
    Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
    E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
    Por isso quando num dia de calor
    Me sinto triste de gozá-lo tanto.
    E me deito ao comprido na erva,
    E fecho os olhos quentes,
    Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
    Sei a verdade e sou feliz..."

    Este poema baseado em motivos de beleza campestre é lindo e admirável.
    Fez-lhe, doce amiga, um hino ao seu sentir, que ele, onde quer que esteja agradeceria, sim! Tenho a certeza absoluta.
    Parabéns sinceros pela sua postura na vida.
    Beijinhos amigos.
    Com respeito e poderosa estima
    Sempre a admirá-la...

    pena

    OBRIGADO pelo carinho expresso no meu blog.
    Bem-Haja, amiguinha doce. OBRIGADO!

    ResponderEliminar
  30. Gracias por darme a conocer a Alberto Caeiro, a Fernando Pessoa ya lo conocia.
    Es un verdadero placer comprobar como amais a Extremadura, el corazon tan inmenso que teneis y vuestra nobleza.
    La muestra la tengo en casa.
    Muy bonito el puente de tu pueblo, una maravilla.

    un abrazo desde esta Barcelona mediterranea

    ResponderEliminar
  31. Queridos Tétis e Argos,

    Enquante amante de Fernando Pessoa, sou tenho uma palavra relativamente a este post: OBRIGADA.
    Obrigada pela selecção;
    Obrigada por darem a conhecer (relembrar) o nosso Poeta;
    Obrigada pelo didactismo do post. Meus Amigos, muito sinceramente, Obrigada e Parabéns.

    ResponderEliminar
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  33. Arwen,

    Que bom que estejas a “descobrir” estes poetas!
    Temos a certeza que vais gostar.
    Se quiseres, podemos enviar-te o nome de um site de língua castelhana sobre Fernando Pessoa. Os poemas estão muito bem traduzidos.

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  34. Olá Mariz,

    Obrigado pelas suas palavras!
    Palavras que nos encorajam e nos apontam o caminho.
    Confessamos…que pelo menos um de nós (o Argos), não sabe muito sobre o lado espiritual de Fernando Pessoa, mas que se compromete a aprender!

    Um abraço grande e sentido

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  35. Belkis,

    Para nós é uma honra compartilhar Fernando Pessoa com todos vocês!

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  36. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  37. Amigo Poseidón

    Obrigado pelas tuas palavras sempre simpáticas e pelo poema.
    Gostamos particularmente desta parte:

    “Sentir como quien mira
    pensar como quien anda,
    y, cuando se ha de morir,
    recordar que el día muere
    y que el poniente es bello
    y es bella la noche que queda.”

    Um grande...não...dois grandes abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  38. Olá Isabel,

    Concordamos consigo. Em Fernando Pessoa há sempre mais alguma coisa a descobrir em cada poema estudado!

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  39. Sedemiuqse,

    Esperamos que tenhas gostado de Fernando Pessoa!
    Um grande abraço de nós os três para ti!

    Tétis , Argos e poseidón

    ResponderEliminar
  40. Reggina,olá outra vez!

    Não tem que agradecer a minha visita, eu gosto de verdade dos seus blogs.
    O meu preferido é este último, obrigado por partilha-lo connosco!

    Abraço

    Argos

    ResponderEliminar
  41. Paula,

    Obrigado pelo incentivo.

    Parabéns a si também pelo seu blog. Um belo sítio para os amantes de livros se perderem!

    Abraços

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  42. Tétis:
    Ponto...pronto....não chores mais...vá lá, então? Enxuga as lagrimitas e vai até ao blog, a faixa a direita e verás lá tudo...ainda não tinha tido tempo de arranjar a preceito.
    Tá bem assim?
    Linda!
    Beijinhos meus

    Sempre...
    Maiz

    ResponderEliminar
  43. Amigo Pena,

    Ficamos muito felizes por teres gostado deste post e por te ter agradado lê-lo do princípio ao fim.
    (não estranhes estar a falar no plural mas esta série de "Os Poetas do Parque" é uma obra conjunto, minha e de Argos...).

    Fernando Pessoa vai acompanhar-nos ainda durante mais dois posts nesta série. Por isso, já que gostas tanto deste magnífico poeta, convidamos-te para os próximos passeios pelo Parque dos Poetas (se fores à lista das etiquetas poderás ler os outros posts desta série).

    Abraços amigos,

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  44. Amigo Pena,

    Agora é só Tétis que te está a responder.

    Fiquei muito feliz com todas as palavras carinhosas que me dirigiste e muito contente por saber que também admiras Fernando Pessoa e a sua sensibilidade.

    Como disse na outra mensagem, poderás ler os outros posts desta série (já falámos de Camilo Pessanha e Teixeira de Pascoaes) e no post "O Parque dos Poetas e Os Poetas do Parque" encontrarás a explicação de como esta série nasceu.

    Não precisas agradecer as minhas visitas ao teu blog e os comentários que lá deixo. Eu é que estou agradecida por ter encontrado o teu magnífico blog e um amigo tão sensível e amável como tu.

    Bem hajas tu também, meu amigo ternurento.

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
  45. Maria Rosa

    Vamos continuar a falar de Fernando Pessoa, Ricardo Reis e Álvaro de Campos nos próximos posts desta série.
    Esperamos que continues a acompanhar-nos.

    É Poseidón, o nosso outro amigo deste blog (somos um grupo de 3) que é "extremeño". Ele explicar-te-à melhor, em espanhol, quem somos nós aqui neste blog.

    Besitos dos autores deste post

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  46. Olá Teresita

    Já sabíamos que eras "fã" de Fernando Pessoa. Basta ir ao teu blog e facilmente nos aperceberemos disso.

    Obrigada pelo teu OBRIGADA!...

    Não percas os próximos dois posts desta série em que iremos continuar na companhia do nosso Pessoa.

    Beijinhos dos amigos

    Tétis e Argos

    ResponderEliminar
  47. Querida Mariz

    Pronto, sossega, parei de chorar!...

    Já fui ao teu blog e está tudo maravilhoso. Obrigada.

    Beijos muito amigos

    ResponderEliminar
  48. Parabens por este belissimo trabalho sobre pessoa na versão Alberto Caeiros.

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.