quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Aquele mar... da minha terra...



Aquele Mar
Aquele mar da minha infância,
bom camarada e meu irmão
a sua voz, o seu olor, sua fragrância
tanto os ouvi e respirei
que trago em mim o seu largo ritmo,
seu ritmo forte,
como se as praias onde espuma
quase me fossem
praias sem fim dentro de mim
ocultas praias, largas praias
do tumultuoso coração…
Aquele mar
meu confidente de horas idas
tudo escutava e adivinhava
do meu pueril e ingénuo anseio.
Nada sonhei que o não dissesse
– frémito de alma, grito ou prece –,
às madrugadas e aos poentes,
ao sol, às nuvens, ao luar,
ora nascendo, ora morrendo
nos longos, longos horizontes
em que se perdia o meu olhar…
Aquele mar
na calma azul, no temporal,
nunca mentia: era um só beijo,
hálito puro, largo harpejo
que me entendia e respondia
no seu inquieto marulhar…
Moço e menino, solitário,
rochas, falésias, areais
eu coroava-os de alegria
nos meus passeios matinais.
Ou nalgum barco pescador,
velas abrindo a todo o pano,
do oceano então era senhor,
largava a escota, navegava,
no vão desejo de aventuras,
que não chegava a realizar…
Mas era meu, e eu pertencia-lhe,
àquele mar,
era seu filho, escravo e dono,
sorria à sua Primavera,
amava a luz do seu Outono,
o vivo lume dos estios
a violência dos Invernos
longos clamores de temporais.
Aflito voo das gaivotas
junto das negras penedias,
também como ele me perdias,
nas tardes tristes e sombrias,
na bruma gélida das noites…
E a eternidade então ouvia
humano sonho sempre esquecido
na eterna voz que fala o mar.

(João de Barros, 1881-1960)

15 comentários:

  1. Que lindo, gostei muito.
    beijos,
    Mara

    ResponderEliminar
  2. Como eu te compreendo, João de Barros, grande poeta!

    O teu mar é o meu mar, o mar da minha infância...

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. El mar en todas sus expandiones late en estos versos que huelen a sal y suenan a aleteos de gabiota compitiendo con el oleaje.

    Besos

    ResponderEliminar
  4. El mar, la mar... Como dijera Alberty.
    Siempre ha sido fuente de inspiración para los poetas y, estos versos son bellísimos; a través de ellos nos llegan el aroma y el murmullo de las olas, sus rizadas espumas.

    Feliz fin de semana, amigos.

    Besos. María

    ResponderEliminar
  5. Meus queridos

    Hoje passando para oferecer o meu selinho de 2 anos de blogue, feito com o carinho das vossas palavras e com a amizade dos vossos comentários, que me enchem o coração de calor.

    Beijinhos
    Rosa

    ResponderEliminar
  6. Escolha espantosa de João de Barros, no amor extraordinário ao mar, afinal, o laço que nos une a todos.
    Beijo amigo
    Graça

    ResponderEliminar
  7. "Se te amas a ti mesmo,
    ama os outros do mesmo modo.
    Enquanto amares uma única pessoa menos do que a ti mesmo,
    não te conseguirás amar a ti mesmo."

    (Meister Eckhart)

    Beijos & Flores.......M@ria

    ResponderEliminar
  8. Ese bello mar que baña tus tierras que invita a soñar y bañarse con sus tibias aguas y dejar ahí todo problema o pesar nada mas que esa libertad al contemplar sus olas llenas de espuma blanca y hermosa...muy bello y especial este poema...besossssssss con mucha ternura...

    ResponderEliminar
  9. Es una belleza...

    El mar es mi elemento favorito, como dice el poema, puedo decir mi camarada, a veces le hablo y siento sus olas me contestas en un tenue murmullo de esperanza.

    Saludos

    ResponderEliminar
  10. Olá Tétis,

    Belissimo, este poema de João de Barros.
    Raros são os poetas que não cantam o mar. Por que será?...

    E é a magia de sempre, a magia que toca todos, independentemente (mas particularmente) de serem, ou não, poetas!

    Beijinho, Amiga.

    ResponderEliminar
  11. Hola querida amiga Tétis,

    Moi aussi j'aime la mer!

    Mer :
    Homme libre, toujours tu chériras la mer.
    Baudelaire (Charles), Les Fleurs du Mal, l'Homme et la Mer.

    Bisous mon amie.

    ResponderEliminar
  12. Que lindo poema!!!! ^^

    Saudades de vc, tb, Tétis!!!

    Peço desculpas pela minha ausência, ultimamente...

    É que tenho escrito vários contos e tb tenho que divulgar os livros dos quais participo - quase não tenho tempo nem para postar nos blogs...

    Mas jamais me esqueço do Farol e dos meus amigos tão queridos!!!! Por favor, me desculpem!

    =^_^=

    Mtos e mtos

    bjinhosssssss cheios de saudade

    ResponderEliminar
  13. Olá amiga Tétis,

    Agradeço de coração, este belíssimo poema de João de Barros!
    Penso que daqui a alguns dias esta poesia vai fazer-me companhia e fazer-me "voar" até ao meu mar.

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  14. Olá amigos

    Obrigada pelas vossas bonitas e carinhosas palavras e também por comigo terem apreciado a poesia e o mar "da minha terra..."

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.