terça-feira, 29 de junho de 2010

Antoine de Saint-Exupéry

Celebra-se hoje o 110º aniversário de nascimento de Antoine de Saint-Exupéry.
Não vou fazer uma resenha das suas obras nem tampouco da sua biografia. Em muitos locais da Internet encontrarão de certo informações mais fidedignas do que as que eu colocaria aqui.
Vou somente “divagar” sobre aquilo que sinto quando ouço o nome Saint-Exupéry.

Como quase toda a gente, o meu primeiro encontro com o autor foi em criança, através do “Principezinho” e não posso dizer que tenha sido um encontro auspicioso!
Tinha nove anos quando me ofereceram o livro e não gostei da capa, folheei e não gostei dos desenhos interiores, comecei a ler e detestei a rosa caprichosa!
Reconheço agora, adulto, que a rosa foi o pretexto para não ler o livro de imediato, o que me perturbou foi o facto do Principezinho viver mais ou menos sozinho num asteróide.
Mas numa tarde em que a febre da leitura me consumia e não havia outros livros, peguei contrafeito no “Principezinho”, comecei a ler e não consegui parar!

Não foi uma leitura fácil, li várias páginas cujo o sentido não entendi de todo, recuei parágrafos inteiros e outros trechos reli até os saber de memória.
Agitou-me saber o Principezinho tão pequenino (e de certo modo frágil), identifiquei-me com ele na sua ânsia de saber e questionar tudo e no seu amor por algumas coisas que aos olhos dos outros poderiam ser banais. Chorei quando a raposa lhe ensinou o que significava cativar e fiquei tremendamente abalado com o final do livro. Senti que naquele terminar havia um sentido diferente do que aquele que eu alcançava, pelos menos eu queria acreditar que sim…
Ao contrário do que fazia com os outros livros, não voltei a ler “O Principezinho” durante anos, mas de certa forma ele esteve sempre presente, invadindo os meus pensamentos quando eu menos esperava.
Para ser sincero, só o reli há cerca de dois anos. Li-o com os olhos e algum cepticismo característico do adulto que sou, mas voltei a emocionar-me com a forma simples em que são descritos os conceitos e valores que deveriam ser os essenciais à vida, como a amizade, a fidelidade e a honestidade. Sorri perante os cenários que retratam as loucuras do homem e as suas opções de vida (?) e voltei a sentir-me inquieto com o final da história, se é que há final. Continuo a procurar…

47 comentários:

  1. Olá Amigo Argos,

    que lindo o teu post!

    E vem de encontro ao meu... que também fala de Amizade...!

    Que grande verdade... "O essencial é invisível aos olhos"!

    Um beijo enorme para os três..., Tétis, para ti e para Poseidon!

    Desejo-lhes uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  2. Argos, qué bien que nos traigas a Saint Exupéry y su inseparable Principito.

    Cuánta sabiduría en ese pequeño cuento.

    Acompaño con la frase del Zorro: Sólo con el corazón se puede ver bien. Lo esencial es invisible para los ojos.

    ResponderEliminar
  3. Hola Argos.
    Preciosa y tierna historia que he releído mil veces yo, y después con mis hijos en su primera etapa escolar...mas,siempre me transmite una nueva emoción, un nuevo setimiento de paz y solidaridad con mi entorno que agradezco al autor de todo corazón. Atí también por compartirlo hoy.
    Besitos de amor y paz desde este balcón extremeño.Carmendy

    ResponderEliminar
  4. TETIS
    Os dias vão passando e vamos sentindo alicerces...
    não se v~e só letras sentimos os amigos e estes selinhos servem para unir.
    um dia quero tomar um café contigo e ver a cor dos teus olhos.

    Depois do jogo portugal/Espanha estou em estado de choque.mas...eu sabia...

    um beijo grande para o ARGOS.

    ResponderEliminar
  5. Maravilhosa postagem!
    A primeira vez que ouvi o nome de Saint-Exupéry, pensei que fosse santo, rs.. Mas depressa descobri que não era. Foi, porém, um ser iluminado, sim, e ainda o é esteja onde estiver. O Pequeno Príncipe me cativou inteiramente. Nunca fui ligada às lógicas das histórias, mas na sabedoria das entrelinhas. O "principezinho" também me marcou muito, e creio que foi neste ponto de que somos realmente responsáveis por aquilo que cativamos. Eu acredito nisto.
    Beijos na alma, amigos!

    ResponderEliminar
  6. "Nunca se deve engatinhar, quando se tem o impulso de voar."

    (Hellen Keller)

    Feliz noite e carinhos meus! M@ria

    ResponderEliminar
  7. Maravillosa entrada y un buen recordatorio para Exuperry, autor de un alegato moral fantástico como es el principito. Nos cuentas tu experiencia con este libro y me ha parecido muy interesante. Felicitaciones! Un abrazo.

    ResponderEliminar
  8. ¡Cómo olvidar El Principito!

    Besitos desde mi estrella.

    ResponderEliminar
  9. Excelente homenaje a otro de mis autores favoritos.

    "El principito" fue el primer libro que despertó mis ganas de escribir...

    Muchas gracias por traerlo :)

    Besos y linda semana para los tres.

    ResponderEliminar
  10. Bela homenagem amado,este livro me acompanha por muito tempo e cada vez q o leio descubro uma nova essência.
    Parabéns mesmo.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  11. "Ame as suas visões e os seus sonhos como se eles fossem as crianças da sua alma, os planos de suas maiores realizações."

    (Napoleon Hill)


    Sonhos & Flores ____Abraços mil! M@ria

    ResponderEliminar
  12. Gracias por tu recuerdo de esta pequeña joya.
    Un beso.

    ResponderEliminar
  13. Excelente homenaje a Exupéry, estupendo autor que tanta enseñanza nos dejó con su libro El Principito. Me uno a él.
    Un saludo a los tres: Poseidon, Argos y Tetis

    ResponderEliminar
  14. Hola Argos, que alegria de comentarte, querido amigo..

    Me encanta.. la historia del Principito es eterna... bella, candida, verdadera, llena de sentimiento...y vitalidad...

    Espero que estes bien y te dejo un montón de beijinhos...

    ResponderEliminar
  15. Creo que "El Principito" es un libro de lectura obligatoria para cualquiera a cualquier edad.
    Bicos.

    ResponderEliminar
  16. Foi o primeiro livro que dei de presente a minhas filhas - O PEQUENO PRINCIPE - é leitura obrigatória e iniciática. Parabéns pelo post !

    ResponderEliminar
  17. Todo un hito en nuestra niñez y en nuestra madurez. Felicidades, Argos por este homenaje.
    Y como siempre, gracias por dejar que la luz de vuestro faro nos acaricie constantemente.
    Besos.

    ResponderEliminar
  18. Mis queridos amigos como os he hechado de menos, he estado un poco retirada por causas personales pero ya estoy de vuelta para disfrutar de nuevo con vuestro espacio. Gracias por vuestras letras en mi espacio, os quiero y ya no me voy mas jajaja un besazo a todos, amenazo con seguir visitandoos

    ResponderEliminar
  19. Entre a razão e o impulso
    fica a brandura.
    A graça é dada
    para que tudo seja gracioso:
    sorriso, pomar,veneno.
    Prova-se o fruto açucarado
    da paixão, o tóxico
    de permeio com o mel.
    Os lábios permanecem doces
    e não cessam de prometer
    embriaguez - mesmo amarga.


    Hugo Mund Júnior


    Amor & Sonhos_______Beijos da M@ria

    ResponderEliminar
  20. Olá amigo Argos

    Parabéns por esta divagação sobre aquilo que sentes quando ouves o nome Saint-Exupéry. É linda e nela mostras o teu belo e puro coração de "Principezinho".

    Como prova de que também tu me "cativaste", deixo aqui um pequeno excerto do episódio do Principezinho e da Raposa:

    ...Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo... Se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...

    Um grande abraço muito amigo

    ResponderEliminar
  21. Olá Amigo Argos,

    Es verdad, cuánta sabiduría en ese pequeño cuento.

    El principito es una joya conocido y leido en todo el planeta.

    Tb lo volvi a leer el año pasado otra vez.

    Gracias amigo por compartir y contarnos lo que sentistes al leerlo.

    Un abrazo

    ResponderEliminar
  22. És tu a Primavera que eu esperava,
    A vida multiplicada e brilhante,
    Em que é pleno e perfeito cada instante.


    Sophia de Mello Breyner Andresen

    Te desejo um Sábado de alegrias M@ria

    ResponderEliminar
  23. Olá Argos,
    Li "O Principezinho" há uma série de anos e por incrivel que te possa parecer - tendo em conta a tua experiência e o teu desagrado mais do que legitimo - guardo, ainda hoje, a sua magia. Ao contrário de ti li-o, logo nessa altura, de um fôlego. E sonhei com aquele menino, e admirei a amizade que tinha pela rosa, os cuidados, tudo aquilo era mágico.
    O final como que fica em aberto. Dá a sensação que o autor o deixa livre, à solta, apelando ao sonho do leitor. Não sentes isso?
    Um grande abraço, Amigo, e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  24. Olá Argos,
    Li "O Principezinho" há uma série de anos e por incrivel que te possa parecer - tendo em conta a tua experiência e o teu desagrado mais do que legitimo - guardo, ainda hoje, a sua magia. Ao contrário de ti li-o, logo nessa altura, de um fôlego. E sonhei com aquele menino, e admirei a amizade que tinha pela rosa, os cuidados, tudo aquilo era mágico.
    O final como que fica em aberto. Dá a sensação que o autor o deixa livre, à solta, apelando ao sonho do leitor. Não sentes isso?
    Um grande abraço, Amigo, e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  25. Argos, desculpa!
    Porque será que o comentário aparece duas vezes? Ai, ai...

    ResponderEliminar
  26. Olá Amélia *

    A amizade é de facto algo extraordinário.
    Como se pode viver sem amigos?
    Parabéns a ti também pelo teu post sobre amizade, um exemplo a seguir.

    Abraço meu e dos meus dois amigos, Tétis e Poseidón, para uma amiga que nos tem ensinado muito - tu!

    ResponderEliminar
  27. Olá Luísa

    Concordo com as tuas palavras, tanta sabedoria num conto tão pequeno!
    Talvez porque o importante não se possa dizer, só sentir!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  28. Olá Carmendy

    Sempre que abrimos o livro do “Principezinho”, aprendemos mais alguma coisa.
    É um livro que devemos passar às gerações mais novas. Quem sabe? Talvez ajude a mudar o mundo para melhor!

    Abraço grande e um bom Domingo

    ResponderEliminar
  29. Olá Lili

    Agradeço o beijinho!
    Obrigado por se lembrar de mim.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  30. Olá Meri

    Fizeste-me sorrir com o inicio da tua mensagem, Saint –exupéry um santo!
    Como tu, também acredito que somos responsáveis pelo que cativamos, mas ás vezes dói tanto!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  31. Olá Maria

    Sabes uma coisa?
    Também me cativaste com as frases que deixas nos meus posts!
    Se faltas fico preocupado!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  32. Olá de novo, Maria !

    Todos devemos voar, há muitas formas de levantar voou…
    E Hellen Keleer é um exemplo a seguir!

    Abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
  33. Alma

    Obrigado pelo simpático comentário que aqui deixaste.
    Julgo que todos os que leram O Principezinho, guardam boas recordações e grandes lições!

    Abraço

    ResponderEliminar
  34. OLÁ Hadaluna

    Tens toda a razão, quem leu não esquece o Principezinho!

    Abraço grande e bom domingo

    ResponderEliminar
  35. Mar Solana

    Não sabíamos que o Principezinho despertou a tua ânsia de escrever.
    Ainda bem que isso aconteceu porque tu és excelente!

    Abraço muito grande de toda a equipa do Farol

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  36. Olá Pérola

    Julgo que acontece o mesmo com todos nós.
    De facto é um pequeno grande livro!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  37. Gaia56

    É uma pequena homenagem, mas sentida ao grande homem que foi Saint-Exupéry.

    Abraço grande e obrigado pela visita

    ResponderEliminar
  38. Olá Belkis

    Obrigado pelo teu simpático comentário.
    Este é um livro que marca profundamente a quem o lê com sentimento.

    Abraço de toda a equipa

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  39. Olá Estrella Altair

    Também fico feliz por te ver aqui, és sempre bem-vinda!
    Escolheste com acerto todos os adjectivos com que qualificas a história do Principezinho.

    Obrigado por participares na pequena homenagem, abraço e um beijo para ti

    ResponderEliminar
  40. Olá Fonsilleda

    Aqui em Portugal o Principezinho é lido em muitas escolas, mas julgo que depois de adultos todos devíamos voltar a ler o livro, só nos enriquecia espiritualmente.

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  41. Ivancezar

    Quero dar-lhe os parabéns pela sua iniciativa. Que todos os pais seguissem o seu gesto!

    Um grande abraço e obrigado

    ResponderEliminar
  42. Hola Maria

    O Principezinho é um Guia nas nossas vidas, se nós deixarmos.

    A equipa do Farol agradece as tuas simpáticas palavras com um grande abraço

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  43. Olá Luciernagadeluz

    Que saudades, bem – vinda de novo!
    Esperamos que venhas muitas vezes ao nosso Farol, nós não prescindimos do teu cantinho!

    Abraço muito grande de toda a equipa

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  44. De novo, olá Maria

    Gostei muito deste poema de Hugo Mund Júnior, obrigado por partilhares connosco

    Abraço dos amigos do Farol

    Tétis, Poseidón e Argos

    ResponderEliminar
  45. Amiga Tétis

    Não sei mesmo o que dizer.
    Fizeste com que eu ficasse comovido.
    Obrigado por seres minha amiga mesmo quando não tenho o coração puro de “Principezinho”.

    Um abraço mesmo muito grande e mais uma vez obrigado

    ResponderEliminar
  46. Amigo Poseidón

    Não consegui contar totalmente aquilo que senti ao ler o “Principezinho” porque para os verdadeiros sentimentos não existem palavras.

    Um grande abraço de um amigo por vezes nada fácil

    ResponderEliminar
  47. Olá amiga Teresa

    Fico feliz por teres apreendido de imediato o “Principezinho”.
    Sabes? É que até aos dez anos eu fui uma criança-problema com os livros.
    Adorava ler mas analisava de tal forma os textos que muitas vezes o que parecia um simples conto infantil acabava num pesadelo para mim e para toda a família!
    Os mais problemáticos foram: “Bambi”, quase todos os contos de Hans Christian Andersen, “O Principezinho” e o “Meu Pé de Laranja Lima”.
    Mas podes acreditar que todos os nomeados anteriormente eram dos meus preferidos!

    Abraço grande

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.